A EXCELENTE RECENTE PROGRAMAÇÃO DO TMRJ. ARTIGO DE MARCUS GÓES NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.

Convenhamos: essa é uma programação de notável qualidade.


Depois de uma ótima SALOME , de Richard Strauss, com uma emocionante atuação da protagonista CRISTINA BAGGIO e retumbante regência de SÍLVIO VIEGAS, e da apresentação fulgurante do meio-soprano JOYCE DIDONATO, ambas em agosto, o TMRJ  em setembro já apresentou e ainda vai apresentar uma série de eventos de música, dança e ballet dignos de qualquer grande teatro do mundo.
O  GRUPO CORPO,  melhor e mais tradicional companhia independente  de dança do país, conhecida e apresentada em todo o mundo, continuou já em setembro a série, levada adiante por um “concerto especial” da OSB em homenagem a John Williams, sob a regência de seu titular ROBERTO MINCZUK, um dos nossos melhores regentes de orquestra, que se apresentaria outras vezes. Nesse início de setembro, teve continuidade uma polpuda série de uma ópera e muitos  ballets em versões reduzidas com acompanhamento de piano e outros instrumentos, com aproveitamento de cantores do coro e bailarinos do corpo de baile, do que falaremos adiante.
Grande atração, uma das maiores em qualquer teatro, foi a apresentação  da ORQUESTRA FILARMÔNICA DE DRESDEN, uma das mais tradicionais orquestras da Europa com seus 143 anos de existência, a qual foi regida por seu regente titular MICHAEL SANDERLING  e teve a violinista CAROLIN WIDMANN como solista.
Os fãs de “jazz afro-cubano” poderão ver CHUCHO VALDÉS, uma das maiores figuras de sua área, e aqueles que gostam de ver filmes com trilha sonora ao vivo terão oportunidade de ver O GAROTO, filme de CHARLES CHAPLIN, com a OSTMRJ regida por TOBIAS VOLKMANN.
Em seguida, volta a OSB sob regência do estreante com a orquestra CLAUS PETER FLOR, ao que se segue outra atração internacional, a ORQUESTRA SINFÔNICA DE LUCERNA, a ser conduzida por seu regente titular JAMES GAFFIGAN, com o violinista RENAUD CAPUÇON como solista.
Mais uma atração de extrema importância e valor musical será a apresentação  (quase digo “exibição”…) da PHILARMONIA ORCHESTRA, com o pianista NÉLSON FREIRE, regidos por VLADIMIR ASHKENAZY. A essa magnífica orquestra, ao não menos magnífico regente, também pianista famoso, e ao soberbo solista, o nosso NÉLSON FREIRE, se seguirá uma das maiores atrações da dança de nossos tempos, o MOMIX DANCE THEATER, extraordinária companhia de dança acrobática e ilusionista.
Como se tudo isso não bastasse, no final de setembro volta a OSB com seu regente titular ROBERTO MINCZUK, tão apaixonado pelo que faz que canta com a orquestra que rege e a faz “cantar”, tendo como solista o violoncelista JOHANNES MOSER. Ainda no final de setembro, a arqui-famosa companhia de dança flamenca de ANTONIO GADES ( já falecido) , se apresentará com FUEGO, número concebido por GADES e CARLOS SAURA.
Dia 28 a OSB, sempre com MINCZUK, executa mais um CONCERTO PARA A JUVENTUDE, mostrando “os nacionalismos de Henrique Oswald”, com participação do Coro de Crianças da OSB, regido e preparado por JÚLIO MORETZSOHN.
Paralelamente a essa variadíssima e atraentíssima programação, não aprovada só por quem só gosta de ópera, o público terá oportunidade de ver e ouvir muitos artistas jovens e alguns veteranos do canto, da dança e do ballet clássico em uma extensa série de espetáculos de óperas e números de dança e ballet reduzidos para acompanhamento  de piano e alguns outros instrumentos. É  impossível citar o nome de todos. Pincemos no entanto “au hazard”, para dar uma ideia da qualidade desses artistas, os nomes de GISELE DINIZ, MARIANNA LIMA, DANIELA MESQUITA, CÍCERO GOMES, KAREN MESQUITA, PRISCILA MOTA, CLÁUDIA MOTA, FELIPE MOREIRA, RENATA TUBARÃO, MÁRCIA JAQUELINE, MOACIR EMANUEL e muitos outros, inclusive os lendários nomes de CECÍLIA KERCHE e FRANCISCO TIMBÓ, sob a direção geral de SÉRGIO LOBATO (ballet)  e direção musical de JÉSUS FIGUEIREDO (ópera).
Convenhamos: essa é uma programação de notável qualidade. Não é todo dia que se tem GRUPO CORPO, MOMIX, GADES Y SU FLAMENCO, ORQUESTRA DE DRESDEN, PHILARMONIA, NÉLSON FREIRE, KERCHE, TIMBÓ, JAQUELINE, ASHKENAZY, etc… etc…   Favor não confundir programação com produção, coisa aliás que não interessa ao público. Este quer saber é do que sobe ao palco ou é apresentado em locais aproveitáveis do SEU teatro, sem “agá” e bonito como ele só. Com assucar e com affecto…
DO EGITO CHAMEI MEU FILHO ( MATEUS).
MARCUS GÓES

Comentários