A FANTÁSTICA PROGRAMAÇÃO DA 33° OFICINA DE MÚSICA DE CURITIBA. ARTIGO DE OSVALDO COLARUSSO NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.



A programação artística da 33ª Oficina de Música de Curitiba, na parte clássica do evento, é a primeira grande surpresa de 2015. De 8 a 17 de janeiro Curitiba assistirá uma programação recheada de obras importantes na evolução da música clássica ocidental, sobretudo no aspecto da Música de Câmera. Ao contrário de anos anteriores, quando as boas surpresas vinham apenas do núcleo de Música Antiga, desta vez a curadoria exercida pelo violinista e maestro Claudio Cruz faz com que as boas surpresas aconteçam quase que diariamente.
Não pretendo, por questões éticas, me ater muito na questão dos intérpretes, mas me sinto bem à vontade de esmiuçar as preciosidades de um repertório que decididamente merece ser prestigiado.
O violoncelista Antonio Meneses: participação nos concertos do dia 15 e do dia 17O violoncelista Antonio Meneses: participação nos concertos do dia 15 e do dia 17
Tesouros da Música de Câmera
O ponto alto desta excelente programação podemos observar nos concertos camerístico. A coisa começa a esquentar na sexta-feira, dia 9 de janeiro, quando na Capela Santa Maria às 20:30 horas serão apresentadas duas obras máximas da música de câmera com piano do romantismo musical: O Quinteto em Mi Bemol Maior opus 44 de Schumann e o Quarteto com piano Nº 3 em Dó menor de Brahms. Não sei se foi por acaso, mas até as tonalidades são bem próximas, e além disso nesta noite poderemos sentir de maneira bem evidente a arte de Schumann sendo levada à frente por seu amigo mais jovem, Brahms. No sábado, no Teatro Paiol às 18:30 outro programa que merece ser prestigiado. Desta vez a temática é a Música de Câmera com clarinete. Nada mais apropriado do que se escutar aquela que para muitos é a obra prima camerística de Johannes Brahms: O Quinteto em si menor opus 115 para Clarinete e Quarteto de Cordas, uma das obras primas do mestre. Que lindo, no ocaso da vida do compositor, escutar a contínua indecisão entre tons maiores e menores. Imperdível!!! Sei que prometi não me ater muito a intérpretes, mas Marcelo Oliveira ao clarinete tocando Brahms foi para mim uma das grandes surpresas no ano passado. No Concerto do dia 10, domingo, na Capela Santa Maria às 20:30 horas, o destaque serão as obras do compositor Karol Szymanowski executadas pelo seu quase homônimo, o pianista polonês Michal Karol Szymanowski. Raramente escutadas por aqui serão ouvidas do compositor polonês um Estudo do início da produção do mestre e uma Mazurka do final de sua vida: imperdível. Mas o ponto máximo de toda esta programação acontecerá no dia 15, quinta-feira. Felizmente o local do concerto foi mudado. Ao invés do Guairão este concerto acontecerá no Guairinha, muito mais apropriado para este tipo de repertório. Quando falo de ponto culminante de toda esta programação parto do fato que neste programa serão executadas obras rarissimamente apresentadas no Brasil. Tendo como interpretes alguns instrumentistas mundialmente famosos ouviremos o Quinteto para dois violinos, duas violas e violoncelo em Sol Menor IK 516, uma das mais profundas composições camerísticas de Mozart, e na segunda parte o notável Quinteto para dois violinos, viola e dois violoncelos em Dó maior ID 956 de Schubert. Quando constatamos a excelência dos interpretes chegamos à conclusão que este concerto poderia ser apresentado em qualquer grande capital cultural do mundo. Na obra de Mozart o Quarteto Carlos Gomes recebe como convidada a violista americana Jennifer Stumm, atual professora de seu instrumento no Royal College of Music em Londres. Na obra de Schubert o quarteto recebe um dos músicos brasileiros atuantes em música clássica mais conhecidos internacionalmente: o violoncelista Antônio Meneses.
A Oferenda Musical completa de Bach: programa imperdível do dia 12A Oferenda Musical completa de Bach: programa imperdível do dia 12
Música Antiga: as boas surpresas mais uma vez
Rodolfo Richter, como em outras edições, traz músicos e músicas excepcionais para a Oficina de Curitiba. Neste ano a ênfase é colocada em compositores barrocos tchecos e em mestres poucas vezes ouvidos por aqui. No dia 10, sábado,na Capela Santa Maria às 20:30 horas,serão apresentadas obras de Biber, Schmelzer, Zelenka, Erlebach, Jiránek e Reichenauer num concerto chamado de “Stylus Phantasticus”. E no dia 12 de janeiro, segunda –feira, no Teatro Paiol, às 18:30, será apresentada em primeira audição local a Integral da Oferenda musical de Bach. Todos os Ricercares, Canons e o trio Sonata que formam esta que é uma das últimas obras de Bach, numa apresentação que mereceria ser repetida em outro lugar. Um acontecimento.
Para não dizer que não falei das orquestras…
Os concertos de abertura, hoje dia 8, com a Orquestra de Câmera de Curitiba, e o Concerto de encerramento, no Guairão no dia 17 com a Orquestra da Oficina, ambos regidos por Cláudio Cruz, tem itens que os tornam também obrigatórios. Destaque para o Concerto para Violoncelo e Orquestra de Elgar (dia 17) tendo como solista Antônio Meneses. Mais uma pérola nesta programação preciosa. Parabéns a todos, Claudio Cruz, Rodolfo Richter e Janete Andrade (coordenadora administrativa do evento). Cumpre a Curitiba prestigiar tanta música boa. Caso você deseja ver toda a programação da 33ª Oficina de Música de Curitiba consulte o síte  http://www.oficinademusica.org.br
Osvaldo Colarusso
Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/

Comentários