ESCOLINHA DO PROFESSOR NESTROVSKI. CRÍTICA DE ALI HASSAN AYACHE NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.

  


   Mais uma vez o diretor artístico da OSESP, Athur Nestrovski pegou o microfone antes do início da apresentação e desfilou suas pérolas. O programa do dia 16 era até interessante "Cabinada: Nós Somos Pretos Op 104", do baiano Paulo Costa Lima, "Concerto N° 1 para Piano e Orquesta em Mi Menor Op. 11" , de Chopin e a "Sexta Sinfonia" de Prokofiev, mas lá estava Arthur para querer aparecer mais que a orquestra e fazer o público perder quase meia hora com suas falas. No palco ele se sente com a carinha n'água.
   Ao lado do compositor Paulo Costa Lima fez seu discurso vago de sempre. Não bastasse isso teve a genial ideia de apresentar os temas da peça "Cabinada" para o público, com cada instrumento tocando um trecho da obra que seria apresentada. Caro Nestrovski isso é feito em concerto para crianças ou para um público que não está nada familiarizado com música clássica. O público da OSESP, aquele que sofre a cada semana com suas programações amalucadas, não precisa dessas aulas introdutórias.
    "Cabina" foi uma obra encomendada pela OSESP  e segundo o compositor tem inspiração na música africana com temas usados no Brasil. Foi duro encontrá-los, o que se ouviu é uma música sem a menor inspiração em uma composição que não passa do banal. Inspirada mais na música de cinema americano que nas tradições brasileiras.
   O Concerto para Piano N° 1 de Chopin regido por Marin Alsop teve uma apresentação burocrática. As maravilhosas melodias e os temas encantadores de Chopin não foram explorados a contento. Os músicos pareciam estar de cara amarrada por saber que vão ter que aguentar a maestrina até 2019. O pianista Denis Khozhukhin mostrou-se frio e apático em uma leitura convencional da obra. Seu melhor momento foi o biz, onde conseguiu emocionar na peça apresentada. Uma noite para esquecer.  
Ali Hassan Ayache

Comentários