KARABCHEVSKY, SCHÖENBERG E AS INFINTAS COMEMORAÇÕES DOS 80 ANOS. CRÍTICA DE ALI HASSAN AYACHE NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.

  

 É notável e impressionante que Issac Karabchevsky, um dos maiores regentes brasileiros, comemore 80 carnavais na ativa. Impressionante, problemático e arriscado ele reger o complexo e monumental ciclo de canções "Gurre Lieder" de Shöenberg pela primeira vez no Brasil. Mais impressionante ainda é que as comemorações dos 80 anos do regente parecem infinitas, nem me lembro quando começaram e parecem estar longe do fim. Jogada de marketing esperta, lembra a eterna turnê de despedida do tenor Luciano Pavarotti.
   Tudo é gigantesco no ciclo de canções "Gurre Lieder", a obra exige monumental esforço para sua execução: Três coros, uma orquestra digna de Richard Wagner, cinco solistas, um narrador e um regente que consiga equilibrar tudo isso. A estrutura proporcionada pela Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo na apresentação do dia 17 de Setembro esteve à altura da peça. Quem não esteve no mesmo nível foi Karabchevsky, sua regência é de uma imprecisão atroz. Limitou-se a ficar estático e repetindo os mesmos gestos. Esqueceu que na sua direita existe o naipe dos violoncelos e na sua esquerda estão os violinos. O preço pago por essa regência pífia foi a musicalidade, esta sem delicadeza e refinação. Os solistas foram encobertos dezenas de vezes pelo elevado volume sonoro. Elevar os painéis da Sala São Paulo fazendo-a uma catedral teve um efeito visual incrível como veremos abaixo, a sonoridade foi sacrificada, o som reverberou por todos os lados. A execução da obra foi salva devido a grande capacidade dos músicos da casa e dos chefes de naipe que acertaram nas entradas.
   A influência de Richard Wagner na composição é perceptível, sua estética nesse ciclo não é do rompimento que viria mais tarde com o dodecafonismo. Sua escrita orquestral é influenciada pelos compositores românticos alemães e tem sua raiz na transição entre dois períodos históricos. Os motivos musicais se repetem expressando a narração do poema, grandiosidade orquestral é unida a seções de música camerística.
    A obra é baseada nos poemas de Jens Peter Jacobsen (1847-85) e relata o amor explosivo do rei Waldemar pela amante Tove, esqueceram de combinar com a rainha que não gostou nada da brincadeira e mandou assassiná-la cruelmente. O apaixonado rei não quer que sua amada seja enterrada e conversa com ela através de elementos da natureza. O que parece ser um dramalhão mexicano acaba se tornando uma obra complexa, com música rica em interlúdios e temas brilhantes. Dizem que as lendas são reflexo da vida e deve ser mesmo, nos corredores da OSESP se conta que uma violinista bonitona teve um caso com um regente casado. Ainda bem que o final da história foi diferente, cada um seguiu sua vida.
   Os solistas estrangeiros justificaram sua vinda ao Brasil, cantaram de forma magnífica. O narrador, sabe-se lá por que, ficou no camarote número nove pertencente ao diretor da casa Arthur Nestrovski, bem do ladinho dele para que todos o vissem. 
   Finda a primeira e segunda parte vem o intervalo, estranhamente um terço do público não volta para assistir ao final. Perderam o melhor da festa, um soco no estômago que surpreendeendente. A OSESP conseguiu isso apenas com o efeito da luz. Os painéis do teto foram erguidos de um lado da Sala São Paulo mostrando um belíssimo vitral, a luz em determinado momento fica na escuridão total e vai aos poucos ganhando força e cores nas colunas. O vitral ganha luminosidade que representa o sol quando essa passagem é citada na obra. Criatividade elevada à enésima potência em uma obra que tinha tudo para ser estática e tradicional.
   Ali Hassan Ayache 

Foto Internet

Comentários

  1. Ah, a famosa violinista vamp, hehehe... Cada um seguiu a sua vida, mas consta que a esposa traída foi até a Sala São Paulo atrás da moça e rolou um bate-boca forte...

    ResponderExcluir

Postar um comentário