VOLTA AOS VELHOS HÁBITOS, THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO CANCELA ÓPERAS. ARTIGO DE ALI HASSAN AYACHE NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.

    
   O cancelamento de óperas e concertos era rotina em administrações passadas no Theatro Municipal de São Paulo. A administração capitaneada por John Neschling vendeu a imagem de modernidade administrativa com temporadas anunciadas com antecedência e a implementação de um programa de assinaturas. Parece que os velhos hábitos voltaram a rondar o teatro da Praça Ramos, soube alhures que a apresentação do grupo catalão La Fura del Baus e a ópera Così fan Tutte, de Mozart; ambas agendadas para Novembro foram canceladas. Os possuidores de ingressos terão seu dinheiro devolvido.
   Sinais de que as coisas não andavam nos trilhos já apareciam, diversos solistas internacionais cancelando a vinda ao Brasil foi o primeiro deles. Isso ocorreu devido ao atraso nos pagamentos e como todos sabem notícia ruim corre rápido. A temporada 2016 anunciada com pompa e circunstância pela direção foi decapitada pela metade. Somente as óperas Don Carlo, de Verdi; La Bohème, de Puccini e Lady Macbeth, de Shostakovich se salvaram. 
   Os excessivos gastos com solistas e diretores estrangeiros é um dos motivo de despesas enormes. Lembro que a Secretaria Municipal de Cultura repassa R$ 99 milhões por ano ao teatro, lembro também que a administração gastou mais de um milhão e setecentos mil reais contratando onze estrangeiros para a ópera Aida. Imaginemos quanto é gasto com estrangeiros com outras óperas.
   As alternativas para redução de custos são conhecidas, todos as defendem embora poucos as coloquem em prática. Manter um acervo de óperas e ao longo dos anos for as reapresentando e o intercâmbio de títulos entre os teatros são formas inteligentes e baratas de apresentar óperas em diversos teatros líricos do Brasil. João Guilherme Ripper ,atual diretor do Theatro Municipal de Rio de Janeiro, está começando um trabalho nesses moldes e já conversou inclusive com o Municipal de São Paulo. Pena que seja o único.
Ali Hassan Ayache

Comentários