MENINO MALUQUINHO : TRAVESSURAS OPERÍSTICAS. CRÍTICA DE WAGNER CORREA DE ARAUJO NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.



A criação operística voltada exclusivamente para crianças tem um exemplo clássico em Hänsel e Gretel (1893), de E. Humperdinck, inspirando-se no célebre conto dos Irmãos Grimm.

No Brasil, houve  incursões singulares, como as de Villa Lobos com “A Menina das Nuvens” , a partir de um argumento de Lúcia Benedetti e Francisco Mignone com ”Godó ,O Bobo Alegre”, texto de  Pedro Bloch.

Além da ópera   O Menino Maluquinho ,composição de Ernani Aguiar, com libreto de Maria Gessy de Salles e do autor do livro, Ziraldo que, só agora,  volta à cena, depois de sua estreia em Juiz de Fora(2003).

Na presente concepção, dentro da Temporada Oficial do Theatro Municipal, a regência da Orquestra Sinfônica da UFRJ, é de Roberto Duarte e a direção teatral é de Sura Berditchevsky. Tendo , ainda, a Associação de Canto Coral e o Coral Infantil da UFRJ, respectivamente sob seus regentes titulares, Jésus Figueiredo e Maria José Chevitarese.

Com sua marca simbológica de uma panela servindo de chapéu, o personagem protagonista vive um mundo de traquinagens, na ambiência doméstica e escolar, nas brincadeiras, no futebol, nos sonhos e  nos ingênuos flertes amorosos, até se descobrir crescido .

Numa conjunção perfeita da trama dramatúrgica, sustentada pela maestria de um libreto de poética ironia (Maria Gessy) , longe da previsível puerilidade do tema,  com uma sensível  partitura (Ernani Aguiar). De harmonias tonais e acordes melodiosos, acentuados pela segurança da conduta orquestral de Roberto Duarte.

Ao lado do componente emotivo, realidade e memória, sugestionado pela invenção cênica (Daniela Thomas/Camila Schmidt),pela adequação da gestualidade(Renato Vieira), pelo desenho dos figurinos (Pedro Sayad) e luzes (Jorginho de Carvalho).  

A reveladora espontaneidade interpretativa e afinação vocal do já experiente  Tiê Kuhl (Menino Maluquinho), não desmerece a convincente  atuação de seus sopraninos coadjuvantes, nos personagens Bocão(Paulo Vinicius Pantaleão) e Julieta (Isabele Lopes ).

Incluindo ,é claro, as vozes  de um coeso elenco de cantores já profissionalizados (Guilherme Moreira,Vivian Delfini,Lily Driaze, Fabrício Claussen, Geilson Santos, Luisa Suarez,Mariana Gomes,Beatriz Simões) . Com destaque,   para as nuances líricas da soprano Flávia Fernandes(Mãe) e o alcance e clareza vocal do barítono Marcelo Coutinho , especialmente nas árias do Tempo.

O tato  de uma perfeccionista  em teatro infantil (Sura Berditchewsky) sintetiza, em tons precisos, os caracteres psicológicos e comportamentais da autentica dramatização de  cenas da infância. 

Memorização, sutilezas motoras e linguísticas, socialização e muita criatividade, num espetáculo para todos os gostos e idades.



MENINO MALUQUINHO A ÓPERA está em cartaz no Theatro Municipal, RJ, quinta e sexta,20h;sábado,17h;domingo,11h30m e 17h. Até 13 de dezembro.

Wagner Correa de Araujo

FOTOS BY RENATO MANGOLIN

Comentários

  1. Pena que eu perdi. O Ziraldo influenciou muito minha infância e agora também a do meu filho, que virou um booktuber mirim e tem até vídeo falando dos livros do Ziraldo ( https://youtu.be/_j50_rSZCsg ). O filme, ou essa peça, são instrumentos perfeitos para introduzir algumas crianças no universo dos livros do Ziraldo... espero que não demore muito para ter uma reapresentação aqui no rio.

    ResponderExcluir

Postar um comentário