SIMONE LEITÃO E ORQUESTRA SINFÔNICA DE BARRA MANSA.

Simone Leitão será a solista de piano em duas obras emblemáticas do repertório clássico

A pianista Simone Leitão e a Orquestra Sinfônica de Barra Mansa (OSBM), do Rio de Janeiro, voltam a São Paulo para novo concerto do projeto “Tour Orquestral”. A apresentação será realizada na Sala São Paulo no domingo 18 de Setembro, às 11 horas da manhã, com ingressos gratuitos.
Quatro obras compõem o programa: “Catedral da Luz” do brasileiro Alexandre Schubert, “Estância” de Alberto Ginastera, “Rapsódia sobre um tema Paganini” de Rachmaninoff e “Rhapsody in Blue” de Gershwin, estas duas últimas tendo como solista Simone Leitão.
A pianista, vale acrescentar, foi a idealizadora do projeto “Tour Orquestral”, criado em 2013 com o objetivo de promover a experiência de jovens músicos no cotidiano de uma orquestra. A regência é de Alastair Willis, maestro norte-americano que em dois momentos já esteve no Brasil especialmente para dirigir a OSBM.
O concerto integra a série Concertos Matinais 2016, produzida pela Fundação OSESP, e tem apoio do PRoAC-Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo, e patrocínio de Braskem e Instituto CCR.
PROGRAMA
Alexandre Schubert
Catedral de luz
Obra em dois movimentos para orquestra sinfônica. Composição de 2004, teve estreia mundial em Julho de 2015 pela Orquestra Sinfônica de Barra Mansa, sob regência da maestrina taiwanesa Apo Hsu – quando impressionou o público presente pela complexidade da escrita que exige muito da orquestra. O mineiro Alexandre Schubert, 46 anos, formou-se pela UFRJ, onde é hoje professor do departamento de Composição. É autor de mais de 130 obras.
Rachmaninoff
Rapsódia sobre um tema de Paganini em lá menor, Op. 43
Uma das mais conhecidas obras do compositor russo. Para piano e orquestra, foi escrita em 1934, em forma concertante. Consiste de um tema e 24 variações sobre o vigésimo quarto Capricho para violino solo de Niccolò Paganini. Considerada de dificílima execução, explora amplamente as possibilidades expressivas do piano, que era, vale lembrar, o instrumento de Rachmaninoff. Simone Leitão é a solista.
Alberto Ginastera
Estância
Obra de 1941, é certamente a obra mais conhecida do compositor argentino. A peça foi encomendada a Ginastera para um balé, com o pedido de que “retratasse a vida nas estâncias argentinas, nas fazendas de gado dos pampas“. Para a composição, Ginastera buscou inspiração no célebre poema de José Hernández, “El Gaucho Martín Fierro”, publicado em 1872. Sem chegar a ser dançado (a companhia de dança do coreógrafo Lincoln Kirstein acabou por desmembrar-se na mesma época), Ginastera reuniu então a música do balé numa suíte para orquestra. A suíte tem quatro partes: “Os trabalhadores agrícolas”, “Dança do trigo”, “Os peões da fazenda” e “Dança final”, esta uma estilização do malambo, tradicional dança masculina.
Gershwin
Rhapsody in Blue
Escrita em 1924, originalmente para piano solo e banda de jazz. Na peça, George Gershwin combina elementos da música clássica com efeitos influenciados pelo jazz. A obra foi orquestrada diversas vezes por Ferde Grofé, inclusive a versão para orquestra sinfônica, em fins dos anos 1930. Com a Rapsódia, uma das mais conhecidas obras do repertório erudito norte-americano, Gershwin ganhou, enfim, a reputação “compositor sério”. Simone Leitão é a solista.

S E R V I Ç O
Concertos Matinais – Orquestra – Sinfônica de Barra Mansa – Alastair Willis (regente) – Simone Leitão (pianista)
Domingo, 18 de Setembro, às 11 h.
Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes 16, Campos Elíseos)
Entrada franca
Ingressos disponíveis na bilheteria do 1º subsolo da Sala São Paulo a partir da segunda-feira anterior ao concerto (dia 12 de Setembro), limitados a quatro por pessoa. A partir de cinco ingressos será cobrado o valor de R$ 2,00 por ingresso, também limitados a quatro por pessoa. No dia do concerto, havendo disponibilidade, a distribuição de ingressos será a partir das 10 horas, limitado a um ingresso por pessoa.
Informações pelo tel. 3223-3966
Apoio: ProAC-Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo

Fonte:  http://www.movimento.com/

Comentários