DESMONTE TOTAL NO THEATRO SÃO PEDRO/SP. ARTIGO DE ALI HASSAN AYACHE NO BLOG DE ÓPERA & BALLET.

   


   O título do texto publicado no dia 08 de Maio intitulado Começa o desmonte da Orquestra do Theatro São Pedro/SP estava errado, com o decorrer do dia percebi que o desmonte é total. Esse Blog foi o primeiro a noticiar e depois dele apareceram novas informações sobre o caso e os fatos são estarrecedores.
   Quando soube que uma nova Organização Social assumiria o São Pedro imaginei que viria lambança, não deu outra. Desconfiei da conversa que todos seriam mantidos e nada mudaria. A Santa Marcelina Cultura seguiu o roteiro dos que assumem teatros líricos do Brasil, acabar com tudo que a administração anterior fez.
   Anos de trabalho com a Orquestra do Theatro São Pedro, Academia de Ópera, único teatro da América Latina com elenco estável, administração competente e a formação de profissionais são defenestrados por uma canetada de burocratas, isso sem licitação. 
   Sempre que uma nova administração toma posse palavras bonitas e sem nexo aparecem para justificar atos insanos, vejamos algumas falas do diretor artístico-pedagógico da Santa Marcelina Cultura Paulo Zuben Campello: "reforço da atividade lírica", "readequação do conjunto", "as produções serão realizadas por empreitada", essa é nova. 
   Esse que escreve não foi chamado para a coletiva de imprensa realizada no dia 08/05/2017 com o secretário adjunto Romildo Campello, sempre optam pela imprensa chapa branca e sua representante máxima a Revista Concerto.
    Mais uma vez a classe artística se cala, a imprensa especializada se cala e alguns diletantes do São Pedro se manifestam nas redes sociais. Esse Blog e mais um ou outro colega reclamarão e nada mudará.
Ali Hassan Ayache

Theatro São Pedro, foto Internet.
   

Comentários

  1. Bom dia Ali,

    Obrigado por seu apoio no sentido de disseminar a verdade neste blog. A classe artística está estarrecida sim com este desmonte porém a mesma carece de empenho quando se trata de manifestar-se de maneira efetiva. Falta experiência e coragem, pois muitos não se envolvem por medo de "se queimar" e perder as poucas oportunidades que tem. O que não enxergam é que não haverão oportunidades daqui em diante. Facebook é um ótimo meio porém nem de perto é suficiente para realizar grandes mudanças. É preciso envolver a imprensa e políticos. É preciso comover a população e comerciantes que se favoreciam do local. Para tanto é necessário ir para rua, organizar-se, para que demais que apoiem a causa se sintam seguros para confrontar quem tiver que confrontar.

    att,

    Tareek Ali Chahin

    ResponderExcluir
  2. Todos os paulistas são coniventes em manter desde o ano de 1994 o pior partido político que jamais existiu na face da Terra o PSDB, o partido que mais odeia o Brasil e o povo no qual os paulistas cegos e burros insistem em votar. A única tônica do PSDB é transferir nossas riquezas para os estrangeiros.

    Ontem destruíram a Banda Sinfônica, hoje destroem o Theatro São Pedro e amanhã destruirão a OSESP e a culpa é de todos vocês que votam no PSDB, a culpa de todos que assistem e acreditam na Globo a culpa é daqueles que leem a revista VEJA, A Folha o Estadão A culpa não é minha pois tenho plena consciência que nossos políticos tem como única meta destruírem o Brasil a fim de doar nossas riquezas para as grandes transnacionais. O Brasil é disparadamente o país mais pobre do mundo, se forem levadas em conta as riquezas que possui e as que produz. Hoje tudo está nas mãos de empresas estrangeiras e quase nada de nossas riquezas fica aqui. Temos a conta de energia, telefonia e água das mais caras do mundo, essa é a verdadeira face da privatização.

    Metade do que o governo arrecada já é para o famigerado "serviço da dívida" dinheiro que ninguém sabe para onde vai. A verba da Cultura é irrisória o grosso do orçamento do Estado de São Paulo vai para a "bolsa banqueiro", e isso vem de longo tempo. Estamos sob os auspícios da Segunda República Velha e o remédio para essa desastrosa situação é o Segundo Estado Novo. Espero que os músicos se juntem as massas e saiam na rua para gritarem por seus direitos, que são nossos, pois se o povo não gritar seremos o maior país de escravos do mundo, o Brasil é um dos países do mundo com os menores salários e com o mais elevado custo de vida. Chega, chega e chega...a Segunda república velha tem que acabar....


    Mil Glórias a Getúlio Vargas, que, iniciou o Século XX no Brasil em 1930....


    Atenciosamente,

    O Glorioso e heróico, sofridíssimo povo brasileiro

    ResponderExcluir
  3. Essa questão sobre as escolhas que os paulistas fazem muito me chamou a atenção no tempo curto em que morei aí,acho que não existe no mundo inteiro um caso de uma metrópole ocidental tão provinciana como São Paulo,a maior cidade e o centro das forças reativas de um país.Buenos Aires não é assim,Cidade do México não é assim,não vou nem falar em New York,Tokio,Paris,Milão;essa piratininga é grotesca,não só na aparência.Sou mineiro,curioso saber que Minas e Rio Grande do Sul foram os estados que impulsionaram a revolução de 30.Atualmente só vou a esta cidade por causa destes concertos e óperas,desisti de morar aí,mas agora nem estão querendo investir mais nisso,a coisa vai ficar feia!A professora Chauí foi crucificada por chamar a classe média de SP de proto- fascista,independetemente de se concordar ou não com a corrente política defendida por esta senhora,a mesma deveria ter se defendido mencionado que nesta metrópole e em Curitiba existem sim grupos neonazistas numa proporção muito maior que em outras cidades e que possuem certa influência política.Isso precica ser estudado.Como se explica o fato de eu sair de uma cidade de meio milhão de hab.(Juiz de Fora MG)onde ando para cima e para baixo normalmente como qualquer cidadão e quando estava por uma semanas numa cidade de vinte milhões ser atacado gratuitamente por uma gangue de neonazistas como eu fui na porta do EXTRA da Brigadeiro,próximo à Paulista,com o supermercado e a rua cheias de gente e ninguém fazer nada?Tive que fazer o maior escândalo para que os rapazes agressores tomassem vergonha e não me machucassem.Em SP passei por isso só por ser efeminado,um valentão dizendo na minha cara que não suportava gente como eu mas no interior de Minas em JF nunca vi ninguém agredir uma outra pessoa só por causa disso.Mas não seriam as metrópoles os lugares onde as minorias obteriam refúgio e as cabeças seria mais abertas?Onde as experiências políticas e sociais mais avançadas teriam lugar?Isaac Carneiro Victal.

    ResponderExcluir
  4. Acrescento ao comentário Anônimo, que o desmonte se iniciou quando o Animador de Auditório dos Emergentes e os Convidados de seu patrocinador ancora o Itaú puxou e foi acompanhado naquela grosseira vaia e xingamentos contra anPresident Dilma.
    Foi o não apoio e o ódio dessa classe centrada no partido opositor ao Brasil o psdb e seu candidato derrotado e inconformado Aécio Never o sabotador da Democracia que no Congresso articulava sabotagem àquela gestão e a necessidade desses devedores e sonegadores contumazes amotinados na direção da Fiesp e Febraban os responsáveis e financiadores do Golpe contra a Democracia Brasileira. Co-responsáveis foi a pequena eleite paulistana e a que se pensa integrante dessa elite por imitação e não por real pertenca e seus lacaios, que passaram a assoprar a idéia de crise econômica brasileira. Acompanharam feito estupidos políticos que são a articulação do "partido paulistano" de que tanto se orgulham forjado é ilegítimo como é a pertença de fingem ter como elite distanciada da classe trabalhadora. Essas múmias cidadãs de ares e odores de naftalina e seu séquito de bobos da corte e puxa-sacos foram seduzidos pelo Pato dos devedores sonegadores contumazes a reprisar nas janelas e nas ruas o verde-amarelo daquela arquibancada grosseira, ridícula e vulgar. O seu sempre Presidente vizinho FHC mantinha-os hipnotizados em suas aparições no balcão da Sala São Paulo onde ia aferir o termômetro de sua popularidade e audiência - sintonia perfeita entre farsantes - do intelectual de idéias que não são dele e de classe média e média alta - emergentes, em ação de derrotar a gestão do PT Paulistano, mesmo ao custo de derrotar a Democracia e a si próprios, para manter a falsa aparência e o fingimento de classe. Ora como foi incômodo compartilhar aquele espaço com estudantes e trabalhadores, cujo acesso passou a se dar mais visível, após o acesso abrangente a Universidade e aos Espaços Culturais proporcionado nas gestões do PT por meio de transferência de recursos direcionados especificamente para as diferentes áreas Culturais - cinema, música popular, música clássica, música experimental, novas mídias e suportes, artes plásticas e visuais, teatro, dança, gastronomia etc tudo vindo do patrocínio e incentivo fiscal Federal para ser aplicado especificamente quer para criação e manutenção de corpos estáveis, formação de profissionais, quer para formação de público, quer para os equipamentos culturais.
    Sabemos quem somos, sabemos o que fizemos, sabemos que o ódio não atingiu a preferência política mas a possibilidade de um Brasil mais digno e inclusivo.
    Insatisfeitos ou entediados optaram por derrotar a Democracia e apostar no retrocesso, pois em nenhum lugar do planeta a economia neo-liberal produziu frutos, que não a extinção da classe média - que não suporta os custos integrais da economia familiar, quer pela concentração crescente de renda nos 3% mais ricos que não querem investir seus recursos para desenvolver a economia nacional.

    Versos dum sábio
    iletrado genial Cartola:
    "Ouça-me bem, amor
    Preste atenção, o mundo é um moinho
    Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho, vai reduzir suas ilusões a pó
    Preste atenção, querida
    De cada amor tu herdarás só o cinismo Quando notares estás a beira do abismo Abismo que cavaste com teus pés"

    ResponderExcluir

Postar um comentário