MEMORÁVEL A TEMPORADA LÍRICA DE 1980 DO MUNICIPAL DE SÃO PAULO. ARTIGO DE MARCO ANTÔNIO SETA NO BLOG DE ÓPERA & BALLET.



        No distante ano de 1980 ocorreu uma bela temporada lírica no Theatro Municipal de São Paulo; 
também da lavra de Alfredo Gagliotti, aliás esta foi a última de sua autoria, administração e organização. Terminou a sua vasta colaboração com o teatro lírico em nossa capital, apresentando-nos uma temporada variada e fora dos títulos corriqueiros com exceção de uma delas. Estabeleceu-se então uma série de concertos líricos de coros e árias  famosos, um deles dedicado às obras de Carlos Gomes, música de ballet das óperas, passando por vários de seus representantes: Verdi, Gounod, Gomes, Massenet e R. Wagner, entre outros mestres da música universal.  Carmine Coppola (maestro compositor), Armando Belardi e Oswaldo Colarusso regeram tais concertos, enriquecendo assim os eventos que compuseram a  temporada. 
         Iniciada em 27de Agosto com uma ópera rara entre nós,  em única exibição no Século XX em São Paulo. Tratou-se de "Semiramide", de Gioacchino Rossini,  magistralmente cantada pelo soprano argentino radicado na Itália, Adelaide Negri, uma dramático de coloratura absoluta. O tenor lírico leggero maranhense Raimondo Mettre (Idreno) com o mezzo soprano francês Martine Dupuy, George Pappas (Assur), Gean Charles Gebelin (Gran Sacerdote), Vera Lúcia Pessagno e Hector Pace. Os cenários e guarda-roupa vieram da Fundación Teresa Carreño, de Caracas, origem da produção desta ópera naquele ano. Renzo Frusca foi o regisseur de toda a temporada e Massimo Pradella o maestro concertatore e diretor da Orquestra Sinfônica Municipal. Um espetáculo raro, memorável  e grandioso em nosso Municipal. 
          Dando continuidade "Rigoletto" de Giuseppe Verdi, regido pelo Mtrº Diogo Pacheco, subiu à cena com cenário e figurinos vindos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Revezaram-se em dois elencos os barítonos Benito Di Bella, Fernando Teixeira;  Salvatore Fisichella e os sopranos Carla Basto e a  coloratura de Teresa Godoy, esta última numa irrepreensível Gilda. Artistas brasileiros completaram o elenco desta temporada com nomes importantes como Marta Baschi, Wilson Carrara, Agnes Ayres, Neyde Thomas e Mtrº Tullio Colacioppo. 
           "Il Matrimonio Segreto", de Domenico Cimarosa, foi encenada  com Marta Baschi, Teresa Godoy, Hector Pace, Luiz Orefice, Tereza Boschetti e Boris Farina. "La Rondine", de G. Puccini, regisseur: Renzo Frusca; com os sopranos Neyde Thomas, Marta Baschi;  Dagoberto de Muro, Romeu Cury e Marília Siegl, entre outros. Corpo de Baile do Teatro Municipal, Coral Lírico Municipal e OSM embasaram os espetáculos desta bela temporada de êxito em São Paulo. 

 Escrito por Marco Antônio Seta, em 16 de Abril de 2018.
Jornalista inscrito sob nº 61.909 MTB /SP
Diplomado em piano, história da música, harmonia e contraponto  no Conservatório Dramático e Musical "Carlos de Campos, em Tatuí, SP 
Licenciado em Artes Visuais pela UNICASTELO. 


Na foto esta: Adelaide Negri ( soprano ) , foto Internet.

Comentários

  1. A gravação em vídeo desta encenação da ópera Semiramide está disponível no YOUTUBE.Adoro esta ópera,quando falo isso para as pessoas ninguém me entende,pois o sucesso desta obra no século XIX se seguiu ao completo esquecimento durante boa parte do século XX,alia-se a isso a dificuldade dos cantores de hoje enfrentarem as exigências rossinianas,acho que a época desse compositor passou.Não sou uma pessoa conservadora nem saudosista,mas deixando de lado as modas do nosso tempo,para mim é uma das melhores óperas já escritas.Isaac Carneiro Victal.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto isso em 2018....temos uma Theatro Mvnicipal bagunçado e sem uma temporada descente...

    ResponderExcluir
  3. Lembro dessa temporada. O Matrimonio Segreto e Rigoletto com a prata da casa foram um primor. Semiramide de Adelaide Negri "extraordinária" e espetacular.

    ResponderExcluir

Postar um comentário